Postagens

Crítica: Despedida em grande estilo

Imagem
Um bom time de atores as vezes faz a diferença para a qualidade de um filme, e quando estamos falando de um grupo com Michael Caine, Morgan Freeman, Alan Arkin e Christopher Lloyd no ataque, é praticamente certeza de acertar o gol em cheio. 
É por isto que Despedida em grande estilose torna um programão. Embora apresente uma história sem muitas novidades, fica difícil não rir e se emocionar na poltrona com estes incríveis atores que provam mais do que nunca que chegar à terceira idade não significa perder a vitalidade e a vontade de fazer a diferença.

Despedida em grande estilo é um filme de assalto típico, com a diferença que seus protagonistas são todos sexagenários e precisarão passar por cima das dificuldades da idade para cometer o crime perfeito. Tudo começa quando Joe (Michael Caine) resolve recuperar o dinheiro que ele e os amigos Willie (Morgan Freeman) e Albert (Alan Arkin) deixaram de receber com a apropriação de suas pensões, assaltando o banco que foi responsável pela neg…

Crítica: Vigilante do Amanhã - Ghost in the Shell

Imagem
A indústria do entretenimento japonesa é uma das mais ricas do mundo. Se considerarmos todo o material produzido na terra do sol nascente entre mangás, animes, livros, filmes e programas de TV, seriam necessários muitos anos para qualquer um se sentir minimamente imerso neste universo. 
Não é de se estranhar então que Hollywood vez por outra procure inspiração em terras nipônicas para sua produção cinematográfica. Podemos citar alguns exemplos, como Círculo de Fogo, o novo Godzilla e, por que não, o recente filme dos Power Rangers. Mas ainda não tínhamos visto um projeto que adaptasse na íntegra e com fidelidade um mangá de sucesso e tão representativo e importante para a cultura pop quanto Ghost in the Shell.
Mas Vigilante do Amanhã - Ghost in the Shell pode ser o começo de uma virada muito bem vinda nesta história. Mesmo com toda a polêmica da escalação de Scarlett Johansson para o papel principal (que reacendeu a discussão do whitewashing em Hollywood), o filme é uma adaptação dec…

Crítica: A Cabana

Imagem
O romance A Cabana de William P. Young se tornou um sucesso global desde seu lançamento em 2007, vendendo mais de 18 milhões de cópias. Apesar de ser um livro essencialmente cristão, trata de temas que são reconhecíveis para os praticantes de qualquer religião, e sua mensagem de amor e perdão emociona até mesmo os corações mais resistentes.
Um projeto para um filme baseado no best-seller já circulava há alguns anos em Hollywood, e por muito tempo a maior curiosidade foi a escalação do elenco que interpretaria personagens tão singulares quanto os apresentados na obra. Agora que A Cabana chega aos cinemas, os fãs podem ficar tranquilos: um dos maiores acertos do filme é o time formado por Sam Worthington, Octavia Spencer, Avraham Aviv Alush e Sumire Matsubara.

Em A Cabana,Mackenzie Phillips ( Sam Worthington) vive um longo período de luto pela perda da filha mais nova, que foi sequestrada e brutalmente assassinada. Um dia, ele recebe uma carta que teria sido enviada a ele por Deus, con…

Crítica: O Poderoso Chefinho

Imagem
Os últimos anos tem sido difíceis para a Dreamworks Animation. Depois do fracasso de Turbo e As aventuras de Peabody e Sherman, o estúdio precisou fechar uma de suas principais divisões de animação, a PDI, e reduziu drasticamente seus lançamentos, desempregando um grande número de profissionais. Vários projetos foram cancelados, dentre eles a sequência de Os Croods e o musical Larrikins, que teria Hugh Jackman e Margot Robbie no elenco. 
Mas desde que passou a ser um braço da Universal Pictures, que também é dona do estúdio Illumination (Meu malvado favorito, Minions), as coisas parecem ter se ajeitado para a Dreamworks, e em 2016 o estúdio conseguiu dois relativos sucessos de público: Kung Fu Panda 3 e o colorido Trolls. 
Para tentar manter o bom resultado de público e crítica, chega aos cinemas O Poderoso Chefinho, animação de Tom McGrath, o mesmo diretor da trilogia Madagascar, com roteiro adaptado de um livro de mesmo nome, escrito e ilustrado por Marla Frazee, uma renomada escri…

Crítica: Fragmentado

Imagem
Um grande sucesso de público e crítica no início da carreira pode ser uma benção ou uma maldição. Que o diga M. Night Shyamalan. O indiano que conquistou o mundo com O sexto sentido até hoje é assombrado pelos fantasmas do longa que o tornou famoso: a cobrança do público pela repetição do plot twist* em qualquer trabalho que leve seu nome e a expectativa dos estúdios pelo retorno financeiro expressivo nas bilheterias.
Embora Corpo Fechado, Sinais e A Vila tenham mantido o padrão narrativo e se saído bem financeiramente, desde então a carreira do diretor tem sido uma sequencia de projetos que mais prometem do que cumprem, e bombas como Fim dos tempos e Depois da terra colocaram sua credibilidade em cheque. 
Mas Fragmentado está aí para provar que o diretor ainda tem muito a oferecer para o cinema hollywoodiano e para o gênero de suspense psicológico. 

Assim como no seu filme anterior (o subestimado A Visita), Fragmentadoaposta no minimalismo para surpreender o público. São pouquíssima…

Crítica: Power Rangers

Imagem
Na década de 80, os seriados Super Sentai eram uma febre no Japão, e rapidamente se espalharam pelo mundo. O sucesso de criações como Changeman, Flashman e Maskman nos Estados Unidosfoi tanto que surgiu a Saban Entertainment, que ficaria conhecida por lançar a primeira produção no formato originalmente americana, os Power Rangers.
Com quase trinta anos desde o seu lançamento, a franquia Power Rangers já rendeu na televisão mais de 20 produções diferentes além de 3 filmes para cinema, mas Hollywood nunca havia apostado na série para investir em uma super produção milionária. Isso mudou com a popularização dos filmes de super heróis. 
Apostando no público jovem e na nostalgia dos fãs noventistas, Power Rangers chega agora aos cinemas com um investimento de 100 milhões de dólares, atores do gabarito de Bryan Cranston no elenco e a vontade de criar uma nova franquia para a Lionsgate, ainda na ressaca do encerramento de Jogos Vorazes.

Não seria muito difícil impressionar os fãs acostumado…

Crítica: A Bela e a Fera

Imagem
Desde que começou a transformar seus sucessos animados em filmes com atores, a Disney tem alternado fidelidade e ousadia. Em Alice no país das maravilhas, Tim Burton dispensou o material original para contar uma nova história, priorizando o apuro visual. Com Malévola, Robert Stromberg apostou todas as fichas no carisma de Angelina Jolie para reescrever a origem de uma das maiores vilãs do estúdio e torná-la protagonista. Em Cinderella, Kenneth Branagh captou toda a sensibilidade do clássico mas dispensou a fabulosa trilha sonora, que acabou fazendo falta. Já em Mogli, Jon Favreau trouxe à vida a selva indiana e os amigos animais do menino lobo abusando dos mais avançados recursos de computação gráfica e não negligenciou as canções eternas que embalaram os sonhos de muitas gerações. Faltava dar o passo mais ambicioso: recriar na íntegra um dos grandes musicais que encantaram as audiências no fim do último século.
Não é por acaso que o escolhido para iniciar esta nova fase seja um dos …