Postagens

Mostrando postagens de Outubro, 2015

Crítica: Perdido em Marte

Imagem
Ridley Scott é um diretor bastante versátil, mas na sua vitoriosa carreira os filmes de ficção científica carregam uma importância significativa. Dentre eles, Alien - o oitavo passageiro detém a alcunha de ser o precursor de um subgênero: a ficção científica de horror. Mas o detalhe mais interessante nos trabalhos de Scott neste gênero era uma visão do espaço desconhecido como um local de inevitáveis perigos.
Por este motivo Perdido em Marte já merece a atenção dos fãs do diretor: novamente o espaço e o desconhecido apresentam barreiras e perigos, mas que são sobrepujados pela coragem, determinação e a esperança dos seres humanos.

Se em Prometheus o diretor flertou com o desejo da ciência em entender a origem da vida humana, em Perdido em Marte ele brinca com uma questão até bastante atual, que é a possibilidade de sobrevivência da raça humana em colônias fora do nosso planeta. Embora as principais agencias espaciais desenvolvam trabalhos neste campo e com frequencia divulguem dados …

Crítica: A Travessia

Imagem
Desde seu surgimento, o Cinema tem sido um potencial criador de sonhos e das mais diversas emoções. Quando os irmãos Lumière apresentaram ao mundo A chegada do trem à estação, em 1895, parte da platéia levantou-se das cadeiras, apavorada, acreditando estar no caminho da máquina à vapor. O filme tornava possível sensações que até aquele momento povoavam apenas nossa imaginação, nossa memória ou no máximo preenchiam folhas de papel como fotografias.
Em mais de cem anos de evolução, o Cinema aprendeu novas técnicas, evoluiu na linguagem e tornou-se uma das mais lucrativas indústrias da atualidade. Mas ainda existem realizadores que se lembram destes primórdios, quando o mais importante era levar o público para uma viagem fantástica de sensações. Robert Zemeckis é um deles. 
O homem que nos fez chorar ao ver uma pena de um pássaro dançando nos céus pela ação do vento e nos colocou em uma viagem alucinada pelo tempo sabe como ninguém como manipular as emoções de seu público, mesmo que usa…