Os filmes que definiram a década

Bem vindo ao século 21. Com esta saudação, começamos o ano de 2001. Entramos de pé direito na era de Aquário, e pudemos acompanhar mudanças significativas (e cada vez mais rápidas) na tecnologia. Com o cinema não foi diferente: o novo século trouxe uma safra extensa de filmes memoráveis, personagens extraordinários e a consagração de alguns gêneros cinematográficos que andavam em decadência. Enfim, a década que termina foi muito boa para a sétima arte.

Para homenagear estes 10 anos incríveis que se passaram entre 2001 e 2010, escolhi alguns filmes que representam a gênese do que foram estes anos tão especiais para o cinema.

A REDE SOCIAL (2010)
David Fincher realizou um filme perfeito, com o dinamismo de uma montanha russa, diálogos ácidos e inteligentes, e que não tem medo de ser polêmico. A Rede Social é um marco da atual geração, onde a conexão virtual se tornou uma espécie de fuga da realidade. Nada melhor que o cinema para jogar a verdade nua e crua em nossa cara, sem piedade. * você curtiu isso


CACHE (2005)
Se nas televisões mundiais os reality shows viraram febre por apresentarem anônimos que eram acompanhados por câmeras em todos os seus movimentos, numa total invasão de privacidade, Michael Haneke foi ainda mais longe e nos mostrou com esse filme fantástico como a paranóia e a alienação podem interferir - duramente - no curso de nossas vidas. Sensacional.

O SENHOR DOS ANÉIS: A SOCIEDADE DO ANEL (2001)
O filme de Peter Jackson que iniciou a trilogia de J.R.R. Tolkien nos cinemas tem tudo aquilo que o cinemão deveria sempre oferecer: romance, aventura, efeitos especiais fantásticos e uma história que dá gosto de acompanhar do início ao fim. Um marco que restaurou o interesse do público pelos grandes épicos.

NA NATUREZA SELVAGEM (2007)
Família. No mundo de hoje, esta palavra e seu significado se tornaram um paradigma. Sean Penn nos mostra neste filme, através de imagens belíssimas e uma trilha sonora de abalar até o mais forte dos corações, que a vida ainda pode ser uma grande aventura, mas que tudo compensa, única e exclusivamente, se tivermos alguém com quem compartilhar. Inesquecível.

MOULIN ROUGE (2001)
O musical é um gênero vital na indústria cinematográfica, e estava em decadência até o filme de Baz Luhrmann invadir os cinemas com versões inspiradas de sucessos da música pop, imagens que eram um verdadeiro delírio visual, muito cancã e atuações memoráveis de seu elenco. Era o cinema musical pedindo passagem, e mostrando que o show tinha que continuar!

WALL-E (2008)
O mundo todo se emocionou com a história do robô apaixonado. A Pixar conseguiu acabar de vez com o mito de que um filme animado não poderia ser a melhor produção do cinema em um determinado período, e estabeleceu um patamar de qualidade para o gênero que não pode mais ser ignorado.

SANGUE NEGRO (2007)
Um épico desenvolvido com uma elegância sem precedentes, e que se mostra tão atual em sua gênese que poderia ser comparado ao memorável Cidadão Kane, de Orson Welles. Paul Thomas Anderson construiu um filme denso e reflexivo sobre a ganância e a sede de poder, sentimentos que, embora humanos, às vezes nos tornam irracionais. Fantástico.

A ORIGEM (2010)
Christopher Nolan mergulha a platéia no imaginário dos sonhos e realiza um filme que sintetiza da melhor maneira possível tudo o que esperamos do bom cinema. Inteligente, desafiador e visualmente impressionante, A Origem é daqueles filmes que você vai pensar por muitos e muitos anos, e sempre vai descobrir algo novo quando assisti-lo novamente.

CIDADE DE DEUS (2002)
Embora a escola de cinema brasileira ainda esteja anos luz de distância da qualidade das irmãs pelo mundo afora, conseguimos produzir esta pequena obra-prima que se tornou referência de como construir um drama policial urbano. Copiado até dizer chega pelo cinema de ação recente, Cidade de Deus tornou-se um marco reconhecido mundialmente.

BATMAN, O CAVALEIRO DAS TREVAS (2008)
Christopher Nolan, de novo. O segundo filme sobre sua tutela para o homem morcego casou de vez o cinema com as histórias em quadrinhos, mostrando que era possível desenvolver um filme fantástico a partir deste material. Como bônus, apresentou ao mundo um dos personagens mais insanos da história do cinema, eternizado também pela magistral performance do falecido Heath Ledger.

Comentários

  1. Senti falta de: Mulholland Dr (2001), Sen to Chihiro no kamikakushi (2001), The Bourne Identity (2002), Eternal Sunshine of the Spotless Mind (2004), Sin City (2005), Children of Men (2006) : (

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Crítica: Logan

Crítica: A Cabana

Crítica: A Bela e a Fera