LOST: episódios que seriam grandes filmes

Cinema e televisão seguem hoje uma linha tênue, quase indistinta, se considerarmos a qualidade das recentes produções pelo mundo. Seja nos EUA, na Grã Bretanha, na Alemanha, ou mesmo no Brasil (casos raros, mas existentes), os grandes eventos televisivos atraem a atenção de milhares, colecionam prêmios, e até interferem na indústria do cinema, seja com idéias, seja com tendências.

Lost está aí para provar o que estou falando. A série - que chega a seu fim neste ano - é um dos maiores exemplos de como uma produção de TV pode atingir um nível de qualidade quase cinematográfica; roteiro, personagens, fotografia, efeitos visuais... não fica nada a dever a grandes blockbusters. Mas com um diferencial: alma. Os episódios geralmente são escritos e dirigidos por profissionais diversos, o que ajuda a manter uma sensação de renovação constante.

Abaixo, separei aqueles que considero os melhores episódios da série, que não deixam nada a dever a muitos filmes lançados nos cinemas...

Pilot (1ª temporada - episódios 1 & 2)

Começando de forma apoteótica, somos apresentados aos personagens do vôo Oceanic 815, que cai em uma ilha desconhecida e cheia de mistérios. Também no episódio é inserido o recurso narrativo que fez toda a diferença - os flashbacks - que contavam um pouco mais da história dos sobreviventes antes de chegarem a ilha.

Porque é espetacular? As cenas da queda do avião são fantásticas (ainda hoje um dos mais caros episódios da história da TV americana). Além disso, é o começo da série que viraria fenômeno na TV mundial.

Numbers (1ª temporada - episódio 18)

Hugo "Hurley" Rayes é um dos personagens mais queridos de LOST. Neste episódio, além de conhecermos mais da história do dude através dos flashbacks, vimos pela primeira vez os famosos números (um dos mais intrigantes mistérios da série).


Porque é espetacular? Episódios centrados em Hurley são sempre bem humorados. Aqui, no caso, além do bom humor, a mitologia em torno da ilha começa a ser desenhada - e isso não é pouca coisa...

The other 48 days (2ª temporada - episódio 6)

Descobrimos que haviam outros sobreviventes na parte traseira do avião, e o episódio apresenta através de flashbacks o que estas pessoas viveram naqueles que seriam os mesmos dias vividos pelos personagens clássicos na 1ª temporada.

Porque é espetacular? O episódio começa a mostrar diversos daqueles que seriam os grandes mistérios de LOST, bem como integra a série um grupo de personagens memoráveis: Ana Lucia, Mister Eko e Libby.

Lockdown (2ª temporada - episódio 17)

A segunda temporada é a minha preferida. E muito desta predileção se deve a este episódio centrado em Locke. Nele, ficamos sabendo pela primeira vez que a escotilha não é a única unidade Dharma na ilha. E também fica evidente uma rivalidade que seria um dos pontos vitais da série: John Locke vs Benjamin Linus.

Porque é espetacular? Terry O´Quin. O intérprete de John Locke entrega mais uma fantástica atuação, tanto nos flashbacks quanto em suas cenas na ilha.

Two for the Road (2ª temporada - episódio 20)

O segundo episódio centrado em Ana Lucia revelou mais alguns dos traços fortes da personalidade da ex-policial em seu flashback, intensificou seu conflito com Ben Linus na escotilha e mostrou sua sensualidade na cena picante com Sawyer.

Porque é espetacular? Ninguém esperava o que aconteceu: Michael atira a queima roupa e mata Ana Lucia, e depois também Libby, para soltar Ben. Até hoje é, na minha opinião, a cena mais chocante da série.

Live Together, Die Alone (2ª temporada - episódios 23 & 24)

O final da segunda temporada tem de tudo um pouco: ação, emoção, risos e lágrimas. O embate entre Locke e Mister Eko na escotilha; a traição de Michael; as revelações de alguns mistérios, como o da queda do avião... vários motivos fazem deste um episódio memorável. E ainda tem o retorno de Desmond, e a história do brotha nos flashbacks.


Porque é espetacular? O final de LOST começou a se desenhar ali. O episódio é a prova concentra de que os produtores sabiam - desde o início - onde a série ia parar. E terminou a incomparável segunda temporada de uma forma vibrante e que nos deixou secos de vontade para saber como tudo ia continuar...

Flashes Before Your Eyes (3ª temporada - episódio 8)

Episódios centrados em Desmond se tornaram verdadeiros clássicos dentro de LOST. Aqui, além de expandir os horizontes do personagem nos flashbacks, começamos a compreender sua intrigante ligação com a ilha, através da personagem Heloise Hawking, interpretada com maestria por Fionulla Flanagan.


Porque é espetacular? Pra começar, por que Desmond Hume é o personagem mais cool de LOST. Além disso, nesse episódio começava a tomar forma a questão das viagens temporais e entre realidades, que se tornariam tão importantes na cronologia da série.

Catch-22 (3ª temporada - episódio 17)

Desmond Hume, de novo. No segundo episódio da temporada centrado no escocês, mais flashes do futuro são apresentados. E o princípio do arco que cobriria o restante da temporada e toda a temporada seguinte: quem são os estranhos visitantes do cargueiro que chegaram na ilha?


Porque é espetacular? As cenas iniciais - com as visões de Desmond sobre a morte de Charlie - são extremamente bem produzidas. Também é interessante ver mais da história do brotha e de sua amada Penny.

The Man Behind the Curtain (3ª temporada - episódio 20)

O passado de Benjamin Linus é contado em um flashback de grandes revelações. E vemos Jacob "fisicamente" pela primeira vez, na visão de Locke dentro da cabana onde foi levado por Ben.

Porque é espetacular? Michael Emerson fez de Ben um personagem detestável, mas ao mesmo tempo cativante. No episódio, o ator tem a chance de esbanjar seu talento como manipulador. E o faz com maestria.

Through the looking glass (3ª temporada - episódios 22 & 23)

Apesar de um começo muito criticado por fãs mais ardorosos da série, a terceira temporada superou os problemas enfrentados e partiu para seu ato final reservando mais surpresas e com o final mais fantástico. Até aqui...


Porque é espetacular? Emocionante e vibrante do início ao fim, carregado de cenas impactantes (como o fim de Charlie) e mostrando pela primeira vez a divisão de grupos entre os sobreviventes. Um término de temporada fenomenal. Além disso, surgem pela primeira vez os flashforwards, embaralhando nosso cérebro e nos deixando loucos - mais uma vez! - para que a outra temporada começasse...

The Constant (4ª temporada - episódio 5)

O episódio a ser superado vale pela quarta temporada inteira. Com uma trama envolvente e complexa, conta com o melhor roteiro e a melhor direção da história da série (e venceu vários prêmios por conta disso).

Porque é espetacular? Porque é um episódio centrado em Desmond, e que ainda conta com uma participação grande de Daniel Faraday, um dos melhores personagens de LOST, que foi apresentado nesta temporada. Aqui, ele diz a que veio. E não poderia ser melhor.

Jughead (5ª temporada - episódio 3)

Depois de uma temporada turbulenta e afetada pela greve dos roteiristas, LOST entraria em seu quinto ano com uma expectativa ainda mais forte de seu público. Neste episódio, as expectativas são mais do que atendidas: temos revelações, mortes de personagens importantes e a entrada em cena do grande mote da temporada: a bomba de hidrogênio de Faraday.

Porque é espetacular? Várias narrativas importantes dentro da série começam a ser construídas aqui, inclusive explicações sobre Charles Widmore e Heloise Hawking, além do começo da cruzada de Desmond fora da ilha. A despedida de Charlotte também é emocionante.

The Variable (5ª temporada - episódio 14)

O episódio centrado em Faraday é adrenalina do começo ao fim, e divide com The Constant minha preferência como melhor episódio de LOST. Aqui, conhecemos mais da história do físico e do seu relacionamento com a mãe. E temos um dos finais mais chocantes da história da série.

Porque é espetacular? Quando LOST envereda pelo caminho das discussões científicas, é que demonstra toda a genialidade de seu texto. Nesse ponto, a introdução do personagem Daniel Faraday só fez que a narrativa ganhasse pontos. Por isso mesmo, sua morte impactante é motivo de sobra para classificá-lo como um dos melhores episódios da série.

The Incident (5ª temporada - episódios 16 & 17)

O final da quinta temporada (ou temporada das "viagens no tempo") tinha obrigação de ser fantástico. E foi. Quando termina, o impacto só não é maior do que a nossa vontade de continuar assistindo.

Porque é espetacular? Entre os muitos momentos marcantes do episódio, ponto para Elizabeth Michell. A atriz entrega cenas emocionantes na - quase - despedida de Juliet da série. O final da temporada seria o mais marcante, e deixou todos os fãs abobados e sem saber o que esperar...

Ab Aeterno (6ª temporada - episódio 09)

O personagem de Nestor Carbonel - Richard Alpert - era um dos maiores mistérios de LOST. Neste episódio da temporada final que conta sua origem, entendemos o que está por trás da sua "juventude eterna", desvendamos o segredo da chegada do Black Rock a ilha e o motivo da destruição da estátua de quatro dedos. Além disso, mais detalhes sobre Jacob e o homem de preto são revelados. A série começa, então, a deixar mais clara a mitologia por trás de sua concepção.

Porque é espetacular? O que impressiona é o cuidado geral com o episódio; narrativa épica, fotografia impecável e uma direção quase perfeita. A atuação de Nestor Carbonel é um espetáculo a parte.

Happily Ever After (6ª temporada - episódio 11)

Desmond estava sumido desde o meio da quinta temporada. Para matar a saudade dos fãs, somos presenteados com mais um empolgante episódio centrado no escocês que deixa claro sua importância na série.

Porque é espetacular? O episódio começa a desenhar os conflitos que fecharão a aventura, explica a verdade por trás do flash-sideways, e trás de volta rostos conhecidos como Heloise Hawking, Charlie Pace e Daniel Faraday.


Será que algum episódio a mais entrará nesta seleta lista? Não duvido nada. Em breve, teremos a resposta. LOST terminará no final de maio. E deixará muitas pessoas - eu, inclusive - órfãos de seus mistérios.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Crítica: A Cabana

Crítica: Logan

Crítica: A Bela e a Fera